Entendendo a obsessão

Em todos os locais do planeta existem espíritos: em nossa casa, no trabalho, nos locais de lazer, nos bares, boates, restaurantes, cinema, teatro, templos religiosos de qualquer religião ou filosofia, ou seja, não existe um local onde você esteja que não seja acessível aos espíritos. Engane-se tremendamente aquele que imagina o centro espírita ou templo de Umbanda como único lugar onde encontram-se espíritos. A influência positiva (espíritos amigos) ou negativa (espíritos inferiores) dependerá da sua sintonia, por isso o conhecimento sobre a obsessão não é somente para quem se encontra obsediado, mas para todos aqueles que desejam viver de forma harmoniosa e evitar a presença ou ligação espiritual com esses irmãos que ainda não encontraram a paz após o desencarne. Eles, como todos nós, também retornaram aos braços do Pai, como nos informa a parábola do mestre sobre o Filho Pródigo.

Os únicos locais onde existe restrição para a entrada de espíritos são aqueles onde existe a prece sincera, a leitura edificante, a solidariedade ao próximo, pois eles são protegidos pela própria emanação espiritual desses atos, tornando o ambiente incomodo e às vezes inacessível aos irmãos em desequilíbrio. Em um centro espírita sério ou templo de outra filosofia /religião os espíritos protetores erguem barreiras magnéticas que impedem a passagem dos espíritos brincalhões ou obsessores, já que eles poderiam comprometer o trabalho espiritual. Mas a proteção espiritual dos espíritos elevados dependerá do tipo de trabalho realizado, seus objetivos e a sintonia do grupo responsável pelas atividades.

Um local onde existe cobrança pela ajuda espiritual ou sacrifício de animais será freqüentado por espíritos de baixa elevação, podem até ter boa intenção (nem sempre isso acontece, a maioria das vezes são espíritos interesseiros), mas ainda não possuem a elevação necessária para o trabalho anônimo e sacrificial em favor dos encarnados. Os espíritos que já possuem um pequeno grau de elevação não aceitam esse tipo de trabalho espiritual, não suportam a emanação das energias degradantes advindas do sofrimento dos animais sacrificados e de forma alguma aceitam como seus pupilos médiuns que recebem pelo atendimento espiritual. Os mentores espirituais são misericordiosos e compreendem as dificuldades dos seus irmãos encarnados que ainda estão em evolução, contudo, a mediunidade mercenária e a morte de outro ser vivo não são admitidas em hipótese alguma.

Agora que você conhece um pouco mais sobre a presença dos espíritos em nosso planeta poderá perceber que a freqüência em sua residência será de amigos espirituais que a ajudam e protegem o ambiente contra os espíritos inferiores ou uma congregação de desordeiros desequilibrados, tudo vai depender da sua sintonia, dos seus atos, dos pensamentos, das emoções e dos ambientes que freqüenta.

Compreender a integração e convivência dos encarnados e desencarnados é uma ferramenta importantíssima para aquele que deseja viver em paz e harmonia. Os diversos graus de evolução dos espíritos encarnados e desencarnados também devem ser conhecidos (a escala vale para encarnados e desencarnados). Para maiores informações leia O Livro dos Espíritos, escala espírita e progresso dos espíritos.

Os espíritos chamados de inferiores, imperfeitos, ignorantes ou impuros (você encontrará diferentes títulos em livros e palestras) concentram aqueles que possuem inclinação para o mal, levianos, perturbadores e neutros (influenciáveis). Embora possuam diferentes graus de “maldade”, todos podem de alguma forma atuar em prejuízo ao nosso equilíbrio físico-emocional-espiritual, tornando-se então obsessores e vampirizadores de nossas energias vitais.

Os espíritos mais inclinados ao mal, chamados por Allan Kardec de impuros, geralmente atuam em grupo e são os mais perigosos, pois conhecem a obsessão e a realizam com o objetivo de prejudicar o encarnado. Possuem equipes especializadas e trabalham com o objetivo de aumentar o domínio sobre o obsediado. Iniciam o processo de forma suave para não serem notados e quando obsediado não estranha mais a influencia do desencarnado transformam-na gradualmente na sua expressão mais complexa para depois entrar na fascinação e finalmente subjugar completamente o obsediado. Esses grupos de obsessores possuem objetivos bem definidos quando escolhem suas vítimas, sendo geralmente reencarnações de espíritos que foram seus parceiros e hoje tentam renovar-se, inimigos do passado que o prejudicaram e que eles desejam punir, médiuns que poderiam ajudar o próximo e comprometer as atividades de obsessão e até pessoas que estão comprometidas com erros na atual encarnação (alguns grupos de obsessores acham-se “justiceiros” da espiritualidade, esse assunto é abordado com profundidade no livro Libertação, psicografado por Chico Xavier, pelo espírito André Luiz).

Os espíritos levianos e perturbadores aproximam-se geralmente por afinidade, são os dependentes químicos, alcoólicos, fumantes inveterados, pervertidos sexuais ou desencarnados que desejam intrometer-se na sua vida simplesmente porque não possuem outra atividade mais interessante para realizar e ainda não conseguiram desligar-se dos vícios que possuíam quando encarnados. Esse tipo de obsessão acontece pela total falta de vigilância do encarnado, já que os obsessores encontram portas abertas pela completa falta de consciência e vigilância espiritual.

Os espíritos neutros são geralmente aqueles que desencarnaram e ainda estão fortemente ligados as coisas da terra: familiares, cônjuges, amigos, trabalho, bens materiais, poder, etc são geralmente os principais motivos do apego. Podem ser influenciados de forma muito negativa pelo meio que se encontram ou por espíritos maldosos do astral inferior. A sua presença no ambiente é nociva, atraindo desequilíbrios emocionais ou espirituais para o ambiente em que vivemos, influenciando de forma negativa nossas vidas, gerando situações desagradáveis, controvérsias e irritando as pessoas que residem, trabalham ou convivem no local. Essas situações podem ser geradas de forma consciente ou inconsciente, tudo vai depender da situação que o espírito se encontra.

As brechas espirituais

A ligação com espíritos desencarnados ainda atrasados moralmente somente acontece quando existe uma brecha espiritual, um ponto de acesso para a influência perniciosa de obsessores.

Cada um nós reencarna com proteção espiritual própria, de certa forma similar em sua essência ao sistema imunológico do corpo, mas nesse caso são levados em conta fatores relacionados ao estágio evolutivo do espírito, a sintonia das suas ações, pensamentos e emoções e ainda os seus compromissos espirituais adquiridos em encarnações anteriores.

Toda brecha espiritual pode ser lacrada pelo trabalho de reforma interior, por isso, conhecer suas fragilidades é pré-requisito para trabalhar a obsessão existente ou evitar a aproximação dos irmãos indesejados.

Vamos listar as principais brechas que conhecemos, embora não seja a lista completa, ela poderá ajudar a grande maioria dos irmãos que buscam ajuda espiritual:


  • Vícios

  • Os vícios são na verdade portais para a obsessão, já que o irmão encarnado afasta-se da influência benéfica de amigos espirituais para aproximar-se de más companhias espirituais que não conseguiram desvincular-se dos vícios e precisam dos chamados “canecos vivos” para preencher sua insaciável dependência. O Obsessores utilizam o encarnado como canal de ligação para absorver a energia exalada pelo seu vicio, criando uma verdadeira simbiose espiritual. É muito comum chamar o obsessor de vampiro, pois esse suga as emanações deletérias e degradantes do tóxico, álcool, fumo ou da perversão sexual. Nesse tipo de obsessão e também nos casos onde já temos um laço mais fortalecido o ser desencarnado passa a absorver também a vitalidade do obsediado, comprometendo sua saúde e disposição, por isso é comum obsediados sentirem-se desvitalizados, cansados.

    Um dos motivos que dificulta aqueles que são viciados largar o seu vício é o obsessor que acicata ainda mais o desejo, tornando ainda mais difícil o processo de libertação. A terapia da desobsessão é muito útil nesses casos, aumentando significativamente as chances de sucesso. No livro “Sexo e Destino” de Chico Xavier, pelo espírito André Luiz existe um exemplo muito claro da influencia obsessiva de um irmão desencarnado dependente do álcool.


  • Depressão, Ociosidade Mental e Física

  • A ociosidade mental ou física e a depressão levam o espírito encarnado a imaginar que vida não tem mais sentido, o espírito encontra-se sem objetivos, acabando com auto-estima e humor, enfraquecendo a proteção espiritual própria do espírito e atraindo espíritos desencarnados de baixo padrão vibratório.

    O ócio mental e físico transforma o interior do espírito encarnado em um terreno abandonado, perfeito para a invasão de ervas daninhas lançadas por espíritos malfazejos. Freqüentar grupos de ioga, alongamento, hidroginástica, leitura, coral, visita solidária, estudo espiritual ou qualquer outra atividade que permita passar o tempo ocupando a mente e o corpo ajudam a evitar os pensamentos negativos, a fofoca sem sentido ou a perda da auto-estima. Amizades saudáveis com atividades produtivas possibilitarão um novo sentido em sua vida.


  • Ociosidade Espiritual

  • A ociosidade espiritual é um tema mais profundo que a ociosidade mental e física, que embora sejam muito importantes, não são suficientes para sustentar o espírito encarnado quando batem a sua porta as provas e expiações.

    A busca de atividades que ocupam a mente e o corpo fazem parte de uma busca por objetivos em sua vida, sejam eles profissionais ou pessoais, mas devem ser realizadas em conjunto com a reforma interior, trabalhando espiritualmente para compreender o sentido da vida em sua essência, conhecer suas limitações e conectar-se com Deus, a fonte geradora de toda a vida.

    Trabalhar a “musculatura espiritual” não impede a dor ou as provas que passaremos enquanto encarnados, mas permite uma visão mais dilatada da situação e a recuperação do equilíbrio de forma mais rápida e menos dolorosa. Quantas pessoas conhecemos que trabalhavam suas mentes e corpo enquanto estavam saudáveis e sem problemas, mas que não conseguiram superar as dificuldades que a vida trouxe como bendita oportunidade de crescimento espiritual.

    Nos momentos de queda, onde os espíritos perdem o chão e não encontram onde se apoiar aproximam-se os obsessores que muitas vezes aguardavam a longo tempo essa oportunidade ou que foram atraídos pelos pensamentos enfermiços do irmão em estado de rebeldia ou depressão.


  • Culpa

  • A culpa por erros praticados nessa encarnação é uma janela aberta para a obsessão espiritual. Quando Jesus ensinou que devemos fazer as pazes com todos aqueles que temos desavenças, solicitando o perdão sincero ele deixou o caminho a seguir para gradualmente fechar essa janela e recuperar a consciência culpada. Mas solicitar o perdão não é o suficiente para afastar os obsessores, é necessário perdoar e também renovar-se para exemplificar a sua modificação interior. Os espíritos desencarnados mesmo que ainda ignorantes conseguem sentir e ver além das palavras, dessa forma pedir perdão somente da boca para fora é inócuo nos casos de obsessão.


  • Compromissos Karmicos (Lei de Causa e Efeito)

  • Compromissos adquiridos em encarnações anteriores, quando prejudicamos irmãos que Deus colocou em nosso caminho, podem ser brechas espirituais para a obsessão. Aquele espírito transviado pela nossa irresponsabilidade no passado tem agora o sede de vingança e retorna para reclamar sua dívida. Esses irmãos vingadores podem freqüentar cursos que existem no astral inferior para aprender a obsediar encarnados ou vincular-se a grupos especializados.

    Nesses casos o trabalho espiritual auxilia, mas será necessário tempo e muita paciência para resolução do problema que não raro se arrasta por séculos. O exemplo moral da própria transformação será uma das poucas opções para a libertação, porque embora a melhora espiritual atenue o grau de influencia do obsessor, a sua completa libertação ocorrerá somente quando houver o perdão.

    Devemos compreender que um grande objetivo da nossa reencarnação está relacionado com o reencontro de irmãos que foram prejudicados por nossos atos irresponsáveis em vidas anteriores, estejam eles encarnados ou desencarnados. Falaremos mais sobre esse assunto na oitava semana de tratamento.


  • Apego Material

  • O apego material excessivo que vai além da necessidade de subsistência transforma o espírito encarnado em um ser avarento e egoísta, atraindo para sua companhia espíritos de baixa ordem espiritual que alimentarão ainda mais esse perigoso estado de desequilíbrio. Infelizmente os irmãos que se encontram nessa faixa vibratória perdem a sublime oportunidade de praticar a solidariedade, pois esse sentimento de empatia com as dificuldades do próximo permite a aproximação de benfeitores espirituais, aumentando a própria proteção espiritual pelos sentimentos que afloram pelo ato de amor ao próximo e acabam por semear sentimentos nobres e transformadores nos espíritos obsessores que por ventura estejam nos observando ou nos obsediando.


  • Apego a pessoas ou familiares desencarnados

  • Se uma pessoa querida desencarna e ficamos chamando por ela, sofrendo, reclamando, rebelando-se contra a providência divina então estamos entrando em uma perigosa faixa vibratória, pois vamos atrair para nossa companhia o espírito que desencarnou e está ainda transtornado com o recém-desencarne ou espíritos desencarnados em perigoso estado de sofrimento. Você pode até imaginar que a presença espiritual da pessoa querida atenuará o problema, mas está muito enganado, o espírito recém desencarnado afetará o equilíbrio domestico e pessoal dos componentes da família e poderá até transmitir para aquele com o qual tem maior ligação ou com mediunidade mais ostensiva as doenças que o levaram a morte (quando se aplicar).

    Querido irmão, por favor, deixai que os mortos cuidem dos mortos, ou seja, que os espíritos que já desencarnaram cuidem daqueles que retornam para o mundo espiritual. Quando a saudade bater, já que não podemos negar que sentirá falta do ente querido, ore para que ele esteja em paz, que Jesus possa derramar sobre o seu coração amor e resignação e que ele se adapte a sua nova condição espiritual.

    Pronto, isso basta! Mas não fique orando todo dia e toda hora porque isso também atrairá a presença do irmão desencarnado.


  • Contato com Médiuns Cobradores

  • Buscar o auxilio de médiuns que informam resolver qualquer problema profissional, amoroso, pessoal, etc, também abre uma brecha espiritual para os espíritos moralmente atrasados que participam desse tipo de trabalho espiritual. Você jamais encontrará um espírito superior trabalhando com um médium que cobra pela ajuda espiritual, isso não acontecerá em hipótese alguma. Também é uma farsa informar que qualquer problema pode ser resolvido, ninguém pode afirmar isso!

    O tratamento espiritual busca ajudá-lo a no auto-descobrimento, ensinando-o a trabalhar pela própria reforma intima, conquistando resultados positivos pela própria reeducação moral.


  • “Brincadeiras Espirituais”

  • Brincadeira do Copo ou qualquer outro tipo de invocação espiritual deve ser evitada, mesmo que o espírito chamado seja familiar ou conhecido, pois o espírito em desequilíbrio se sente convidado e caso ele goste do ambiente ou da companhia então você iniciará um tipo de amizade indesejada, pois a partir desse momento ele desequilibrará os ambientes que freqüenta e iniciará um processo de obsessão que poderia ser perfeitamente evitado se não fosse a irresponsabilidade de uma brincadeira sem o menor propósito.


  • Egoísmo, Orgulho, Poder

  • Irmão ególatras e orgulhosos que buscam o poder e a riqueza de todas as formas possíveis entram em sintonia perigosa com espíritos perversos que trabalham contra nosso querido Mestre, fazendo de tudo para gerar desequilíbrio em nosso planeta e retardar a evolução vibratória do nosso orbe.


  • Mediunidade Não Aprimorada

  • Médiuns que fogem do trabalho espiritual são o manjar dos obsessores Não adianta querido irmão ou irmã, se você possui uma porta aberta para a rua então a única forma de evitar que qualquer um entre é colocar um vigia. No caso da mediunidade esse protetor é o seu mentor espiritual que antes da atual encarnação se comprometeu a protegê-lo, mas sua aproximação só acontece quando você entra em sintonia vibratória e para isso ocorrer será necessário estudo e dedicação. O assunto é longo e aconselhamos a leitura da série de artigos sobre mediunidade publicada no site do Grupo PAS na coluna “Em Busca da Verdade”


  • Ambientes Frequentados

  • É impossível jogar futebol em um campo enlameado após a chuva e não se sujar, da mesma forma um encarnado que freqüenta ambientes com energias pesadas receberá o impacto dessas vibrações. Para os mais vigilantes o impacto é atenuado, contudo, as energias deletérias acabam entrando em contato com os corpo astral do espírito, trazendo mal estar para aqueles que não estão acostumados com ambientes “pesados”. Nesses locais encontram-se também obsessores que podem sentir-se atraídos, iniciando uma “amizade” indesejável.

    Boates, motéis, prostíbulos, bares onde busca-se o álcool sem controle, ambientes com barulho excessivo, locais de jogos de azar devem ser evitados principalmente por aqueles que iniciaram o tratamento. Boates e bares exigirão nossa presença em alguns momentos para comemoração de amigos ou parentes, nesses casos faça sua prece solicitando a Jesus a proteção espiritual. Já os outros locais podem ser perfeitamente evitados e as conseqüências da sua freqüência são responsabilidade do espírito que busca companhias espirituais que freqüentam esses locais. Quem deseja paz interior deve buscar locais onde existe natureza abundante e pessoas com objetivos superiores.

Como identificar a obsessão

Conforme já informado a obsessão é um processo gradual de expansão da influencia de espíritos de baixo padrão vibratório sobre a sua vítima. O aumento do domínio por parte do obsessor agrava o quadro obsessivo, tornando cada vez mais complexa a resolução do problema. Infelizmente temos na terra uma quantidade enorme de irmãos e irmãs invigilantes, fugindo da própria consciência e evitando qualquer ação que ajude a afastar o dominador e aproximar os seus amigos espirituais. Temos casos onde o encarnado sabe da presença do desencarnado e aprecia-lhe a companhia, para esses irmãos e irmãs a obsessão será um processo doloroso de resgate e aprendizado, pois o domínio espiritual trará conseqüências graves e danosas para a saúde, equilíbrio emocional, profissional e mental.

Devemos lembrar também que todos reencarnam acompanhados por amigos espirituais, sempre dispostos a ajudar e não se cansam de enviar através do pensamento conselhos positivos para nosso crescimento espiritual, fazendo o possível para nos afastar das más companhias espirituais, porém, a nossa surdez e indiferença espiritual nos afastam do caminho reto e digno, sofremos então as conseqüências de uma vida desregrada, cheia de vícios e ambição, onde evita-se a as recomendações do Evangelho e a freqüência a um local religioso.

A aproximação do obsessor e as técnicas de expansão do seu domínio variam muito com o conhecimento do espírito obsessor e do seu objetivo. Nos casos de vingança, onde o espírito conhece técnicas de obsessão e participa de grupos de obsessores a terapia é mais complexa e exige a interseção de equipes espirituais especializadas.

Algumas sensações comuns no inicio da obsessão são:

  • Tristeza sem motivo, você não tem motivo para se sentir triste, mas sente-se mal, com baixa auto-estima. Pensamentos depreciativos sobre a vida, amizades, família, companheiro(a) povoam seus pensamentos.

  • Nervosismo sem motivo aparente, as coisas aparentam dar mais errado que de costume e você mais irritado com elas que o normal.

  • Parece que você não está sozinho, tem a impressão que alguém está observando, então é possível que exista um espírito desencarnado em desequilíbrio acompanhando-o. Quando espíritos bons se aproximam geralmente não é notada sua presença, mas existe uma sensação boa, um conforto nos envolve. Médiuns treinados conseguem reconhecer a presença de amigos espirituais e até vê-los caso sejam clarividentes.

  • Desânimo para freqüentar o centro espírita ou grupo religioso de sua preferência. Muito comum tudo dar errado no dia que você decide voltar ou iniciar sua freqüência a um local espiritualmente saudável. Conscientemente ou não o obsessor sabe que sua presença a esses locais enfraquece a influencia espiritual negativa e podem afastá-los de uma vez por todas se a vítima decidir seguir os conselhos recomendados.

  • Irritação com amigos ou familiares queridos, pessoas que lhe dão apoio e ajudam em momentos de dificuldade.

Para expandir a influencia espiritual o obsessor necessita depreciar a proteção espiritual da vítima, baixando sua guarda, por isso, quanto mais ele estiver desequilibrado, perturbado, triste, desanimado e afastado de grupos religiosos, mais fácil se torna a tarefa.

Os obsessores também gostam de afastar os obsediados de pessoas boas que estão próximas e ajudam com conselhos sábios e oportunos. Quantas vezes deixamos de fazer besteiras porque essa(s) pessoas conversaram conosco e mostraram um nova forma de enxergar o problema?

Esses acontecimentos indesejados podem ser gerados de forma consciente ou inconsciente pelo obsessor. Nos casos de espíritos conhecedores das técnicas de obsessão os acontecimentos são planejados enquanto nos outros casos a situação ocorre pelo próprio desequilíbrio do espírito desencarnado.

Conforme evolui a influência espiritual perniciosa é comum ouvir uma voz que o estimula a realizar ações negativas ou estimula o seu vício desregrado. Nesse momento tenha a certeza que o problema está começando a ficar muito sério porque o espírito desencarnado aumentou o seu domínio e está caminhando para o próximo estágio, a Fascinação.

Na fascinação o espírito obsessor leva o obsediado a situações ridículas, fazendo com que ele se acredite uma pessoa mais evoluída, importante, rica ou poderosa do que realmente é, afastando-o do convívio dos amigos sinceros que tentam de todas as maneiras possíveis alertá-lo da situação grave que se encontra, mas a ligação com o obsessor já é muito forte e exige um tratamento espiritual e desobsessivo razoavelmente longo em um centro espírita sério.

A possessão ou subjugação é um estado ainda mais sério e complexo, pois o verdugo assume gradualmente o controle sobre o obsediado que encontra-se muito fragilizado para reagir aos impulsos e “ordens” do seu dominador. Nessa situação temos muitos irmãos a beira da loucura, do suicídio ou próximos a cometer um crime, é comum eles relatarem que ouviam um voz que ordenava que fizessem uma ação e a vontade parecia ser superior a sua. Embora fique a impressão que o encarnado não tem culpa, devemos recordar que a obsessão chegou a esse ponto por causa da invigilância da vítima.

A subjugação é tratável, mas exigirá muita paciência, força de vontade e tratamento espiritual.

Lembramos que o assunto é muito complexo e estas breves palavras não revelam os pormenores do assunto, necessitando de largo estudo para sua compreensão mais profunda. Existem variações e características especificas em cada caso de obsessão.

Podemos afirmar somente duas coisas sobre a obsessão:

Ela é gradual e facilmente identificável por aqueles que estão vigilantes e buscam o auto-conhecimento. Sua evolução está ligada a irresponsabilidade e preguiça dos encarnados.

Pode ser tratada e curada em qualquer estágio, bastando para isso vontade e fé.

Constatamos em livros casos de vítimas que não estão fascinadas, mas que foram parcialmente subjugadas por seus verdugos devido a ligações de outras vidas ou pela própria mediunidade não aprimorada pelo médium preguiçoso e invigilante. São os casos de pessoas que estão relativamente bem, mas em determinados momentos surtam e são dominadas pelo espírito obsessor. Quando o problema ocorre pela ligação com um determinado espírito é necessário doutriná-lo em um centro espírita para libertar o obsediado, já no caso do médium desequilibrado será necessário também a terapia desobsessiva, mas a mediunidade exigirá estudo, freqüência a um centro espírita e trabalho de solidariedade espiritual ao próximo para evitar a reincidência ou até agravamento do problema.

Como vencer a obsessão

A fé é o atributo divino que carregamos em nossos corações, é a semente de mostarda que espera os cuidados necessários para romper o seu invólucro e germinar. Jesus, o jardineiro celeste, aguarda que você prepare o terreno para que as mãos divinas ajudem a cuidar da sua ascensão espiritual.

A Fé não pode ser perdida e muito menos roubada, ela pode ficar adormecida, esquecida pelo irmão que não cuida da semente de mostarda, contudo, em momento oportuno aparecerá a oportunidade para sua eclosão, mesmo que demande alguns séculos e muita luta. Caberá a você diminuir ou estender o tempo necessário para que isso aconteça.

Jesus em sua peregrinação não condenava o pecador, mas pregava a extinção do pecado, informando a todos que era possível alcançar a paz e que o reino dos céus é o mundo criado dentro do próprio coração. O Mestre nunca falou que o pecador estava condenado, muito pela contrário, sua doce palavra convidava as ovelhas perdidas a retornar ao rebanho e na parábola do Filho Pródigo explicou o olhar misericordioso de Deus para os seus filhos transviados.

Por isso jamais se julgue indigno da ajuda espiritual, mesmo os espíritos em desequilíbrio ou aqueles que prejudicaram o próximo podem pedir o auxilio espiritual, utilizando a fé como alicerce para sua renovação espiritual. A Fé é o laço indissolúvel que nos conecta diretamente a Deus e a espiritualidade superior. Você não está sozinho e muito menos abandonado, Deus ama tanto seus filhos que provê tudo para o nosso conforto físico e espiritual: O sol que aquece o corpo, a brisa que refresca, os frutos e alimentos da natureza, as reservas medicinais das plantas e para confortar os corações aflitos foram enviados em todas as épocas mensageiros celestes, foram profetas, mestres e santos que se sacrificaram em benefício da nossa evolução. Afirmamos com convicção e sem nenhuma dúvida que o amor de Deus está espalhado por todo o planeta, um amor tão profundo, tão sublime e tão puro que infelizmente ainda não conseguimos compreender.

Para dar um grande passo no aperfeiçoamento pessoal é necessário compreender que os benefícios espirituais recebidos estão relacionados com a própria receptividade, porque Deus é imparcial e o seu amor vibra em tudo que está a sua volta, quem abre o coração para esse Amor será automaticamente auxiliado e beneficiado enquanto aqueles que bloqueiam por sua livre escolha o auxilio espiritual ficam a mercê da influencia espiritual do espírito malfazejos.

A prece deve ser um exercício diário de fé, um canal de comunicação e comunhão com a vida. Quando nosso coração se aquieta na prece é possível sentir a intraduzível sensação de paz e serenidade que envolve o espírito, orar deve tornar-se uma ação normal e parte da sua própria existência, deve fazer sentido para você, da mesma forma que conversar com o pai, a mãe ou o cônjuge.

A prova incontestável do poder da semente de mostarda que carregamos está no exemplo dos luminares e santos que operaram “milagres” e modificaram a história da humanidade ou do grupo que freqüentavam.

O homem que tem fé não é aquele que busca em Deus a solução dos problemas, mas pede sabedoria e coragem para suportar as provas e vencê-las.

Se você deseja vencer a obsessão e outras dificuldades que vida lhe apresenta então é necessário fé, acreditar que você não está sozinho e compreender que tudo tem um objetivo nos desígnios de Deus. A Fé é um sentimento e a prece o seu exercício!

Querido irmão ou irmã, acredite a partir de agora no seu potencial, no seu merecimento, no infinito amor e misericórdia de Deus. Agradeça pelo inicio do dia, por mais uma vez acordar e sentir o sol tocá-lo e pela nova oportunidade de trabalhar o seu equilíbrio interior, reencontrando pessoas queridas e tendo mais uma chance de transformar as desavenças em amizades.

Sorria diante da dificuldade, exercite o otimismo, não esbraveje nos tropeços, tenha tolerância com os menos esclarecidos e torne-se exemplo da verdadeira humildade e resignação.

Alimente-se com equilíbrio, sem exageros, faça o possível para ingerir menor quantidade de carne, substituindo quando possível por cereais, frutas e legumes. Sabemos que muitos ainda não conseguem evitar por completo a ingestão de carne dos nossos irmãos animais, mas sempre é possível diminuir a quantidade.

Reflita sobre o que é importante para sua realização pessoal: Ter mais tempo para você, dedicar-se um pouco mais a família, iniciar a prática esportiva, começar a meditar, participar de um centro espírita, fazer aula de ioga ou alongamento, ir a academia, realizar atividades solidárias, etc. Seja disciplinado, trace metas e cumpra-as para tornar-se mais feliz, transformando o ambiente em que vive e pessoas que convivem com você.

Busque a freqüência de locais com teor vibratório superior, evitando lugares onde espíritos malfazejos se encontram (falamos sobre esse assunto em mensagem anterior). A natureza é um infinito reservatório de energias puras e transformadoras: praias, cachoeiras, jardins, parques ao ar livre, caminhada nas montanhas, são tantas opções para renovar suas energias.

A libertação do obsessor pode ocorrer de duas formas principais:

  • Através da transformação do encarnado que por sua vez influencia o seu obsessor, possibilitando aos espíritos amigos encaminhá-lo a postos de socorro no plano espiritual. Com certeza esse é a melhor opção, já que o obsessor é auxiliado e o encarnado evita novas investidas de espíritos obsessores pelo equilibro espiritual que adquiriu.

  • Afastamento Vibracional - O obsediado modifica-se, elevando sua vibração, alimentação, locais freqüentados, emoções, afastando-se do vício (quando existir) e incorporando a sua rotina leituras edificante. As atividades espiritualmente saudáveis fecham gradualmente as brechas espirituais e elevam a vibração do espírito encarnado, ocupando sua mente com idéias elevadas sobre a vida e diminuindo o domínio do espírito obsessor.

Se ainda existir um laço de vingança entre o obsessor e obesediado então o verdugo esperará por um “tropeço” do encarnado, sendo necessário por isso continuar com o processo de modificação interior iniciado. A espiritualidade superior está sempre atenta e intercederá em momento oportuno para auxiliar o irmão desencarnado em grande desequilíbrio e sofrimento.

A chave para o sucesso do tratamento espiritual está diretamente relacionada ao empenho pessoal na reeducação moral.

Além das nossas sugestões para uma vida espiritualmente mais saudável também recomendamos procurar um centro espírita para tratamento de desobsessão caso a situação exija maiores cuidados devido a sua gravidade. A freqüência a um centro espírita sério, mesmo em casos onde não existe obsessão ou ela esteja controlada é recomendado. As palestras realizadas nos centros espíritas permitem o contato com conhecimentos espirituais que influenciam positivamente nas mudanças pessoais que você deseja realizar, os palestrantes espíritas exploram dificuldades comuns sob a luz do espiritismo, já os passes recebidos no centro espírita permitem o auxilio dos amigos espirituais no reequilíbrio energético físico-espiritual.

 

Fonte: Fraternidade Francisco de Assis - Casa de Bezerra de Menezes